6ª Bienal Capixaba do Livro

A equipe SpamCast não podia deixar de dar uma olhada na 6ª Bienal Capixaba do Livro… mas… não foi tão legal. Mas bem, vamos primeiro aos dados!

6ª Bienal Capixaba do LivroO evento começou no dia 03 de outubro e vai até dia 13, em um galpão na garagem do Shopping Vitória perto da Curva da Jurema, e tem exposição de livrarias, editoras, e conta com espaço para apresentação de autores, debates, palestras, brincadeiras com crianças, teatro de bonecos, área de lanches e a entrada é gratuita. Haverão mais de 200 mil obras, de 300 editoras e é esperado 250 mil pessoas por lá, gerando renda de R$ 5 milhões. A programação do evento estará no final do post, e para mim se destacam a presença do rapper MV Bill e um dos roteiristas do Maurício de Sousa, o João Marcos Parreira Mendonça.

6ª Bienal Capixaba do LivroBom, descrito o jabá da Bienal, o que eu posso falar, tendo dado uma passada por lá por dois dias no final de semana: achei fraco. Senti um dilema do Tostines. A população não comparece por que o evento tá sem graça, ou o evento tá sem graça por que o povo não vai?

6ª Bienal Capixaba do LivroSinceramente? Não sei. Mas acredito que a organização da Bienal, e principalmente os expositores de cada tenda, não souberam montar um evento descente. São algumas poucas tendas, de livrarias e editoras, embora seja dito nos folders que sejam 80, eu não achei 30. Eles devem ter contado banheiros, tendas maiores valem por duas ou 3 e etc… não é possível!!!

Os organizadores dizem que a ideia é fomentar o habito de leitura, e realmente é esse o foco de vendas que eu vi, maior parte dos estandes é focado em crianças, e o restante tem mais livros considerados infanto juvenil (mesmo que eu ache errado considerar um livro de fantasia como os do Eduardo Spohr infanto juvenil). E realmente a maioria das pessoas que vi procurando e comprando livros era esse o foco.

6ª Bienal Capixaba do LivroMas os estandes são meras extensões das lojas. Você tem que chegar lá sabendo o que quer, eles não vão te ajudar em nada… são poucos vendedores, não há artifícios para que se conheçam obras, como mesa de autográfos, estandes de com intuito de criar a vontade ler, mesmo para crianças, pouca variedade de livros, na maior parte você encontra os mais mais de vendas… e não há quase nada de quadrinhos e absolutamente nada relacionado a RPG e jogos ou coisa parecida, sem ser infantil, que eu sempre espero em um feira de livro, mesmo que eu não seja um consumidor de RPG. E não há um foco especial para autores brasileiros e capixabas, tirando os poucos que vão fazer alguma palestra ou mostra nos espaços dedicados a isso. Ou seja, o evento é puramente comercial.

E os preços… ah os preços… cultura é muito caro no nosso país. Eu até comprei alguns livros por lá, mas paguei preço de internet (não pesquisei em lojas fora do evento), embora tenham me dado um desconto de 20%. Mas a realidade é que livro é um artigo caro, para pessoas de monóculos mesmo… é difícil imaginar um país com mais alfabetizados e com melhor educação com os preços praticados pelo mercado.

6ª Bienal Capixaba do LivroEnfim… eu tive que pegar ângulos bons para tirar fotos com muita gente, e mesmo assim, não pude fotografar muito pelo evento, pois a maior parte estava vazia, um vazio triste, que não merece ser exposto por aqui. Mas apesar de tudo, é um evento que a população tem que comparecer, até para que tenhamos feiras melhores no futuro (igual era antigamente, até o início dos anos 90). Temos que reconhecer a importância do tema para nossas vidas e para aqueles que têm filhos, é um momento especial para criar alguma relação dos pequenos com a leitura, pois essa nos torna seres humanos melhores.

 

PROGRAMAÇÃO 6ª BIENAL CAPIXABA DO LIVRO

 

03/10 – (sexta-feira)

19h00 – Palestra de Abertura: “Rubem Braga e a Crônica” – Escritor Carlos Nejar (ABL) – Mediação:

Professor e Escritor Francisco Aurelio Ribeiro (ES).Lançamento do livro “A Labareda Negra da Alegria

 

04/10 – (sexta-feira)

10h30 – Apresentação do Programa “Agentes de Leitura” (MINC) – Prof.ª Dr.ª Eliana Yunes (PUC-RJ /

Cátedra UNESCO de Leitura). Convidados: Secretários Municipais de Cultura

14h00 – Palestra: “O Professor como Mediador de Leitura” – Professora e Escritora Eliana Yunes (RJ) –

Mediação: Prof. Santinho Ferreira de Souza (UFES)

16h00 – Palestra-show para Professores: “Cordel e Viola: poesia popular em sala de aula” – Escritor e

Músico Fábio Sombra (RJ) – Mediação: Bibliotecária Lúcia Helena Maroto (ES)

18h30 – Palestra com José Roberto Marques- Presidente do Instituto Brasileiro de Coaching (IBC)

19h30 – Lançamento do livro “papis et circenses” – Escritor e jornalista José Roberto Torero (SP). Mediação: Professora e Escritora Jô Drumond.

20h30 – Encontro-Palestra com o Padre Antônio Maria. Apresentação do livro “Pescadores de Corações”.

 

05/10 – (sábado)

10h00 – Apresentação para Jovens Leitores “Cordel e Viola” – Escritor e Músico Fábio Sombra (RJ)

 

07/10 – (segunda-feira)

10h00 – Mesa-redonda para Professores: “Literatura e História do Espírito Santo” – Escritores Luiz Guilherme Santos Neves e Pedro J. Nunes (ES) – Mediação: Dr. Getúlio Marcos Pereira Neves (IHGES)

14h00 – Palestra: “Educação e Valores na sociedade contemporânea” – Professor e Escritor

Hamilton Werneck (RJ) – Mediação: Prof.ª Andréa Antolini Grijó (UFES)

19h00 – Palestra: “Leitores e Escritores: laços, afinidades, afetos” – Professora e Escritora

Bernadette Lyra (USP) – Mediação: Silvana Sampaio (AFEL). Lançamento do livro “A Capitoa”, uma ficção sobre Luísa Grinalda, nossa primeira governadora.

 

08/10 – (terça-feira)

14h00 – Palestra: “Literatura e Diversidade Cultural” – Professor e Escritor Rogério Andrade Barbosa (RJ) – Mediação: Prof.ª Joana D’Arc Batista Herkenhoff (ES)

 

09/10 – (quarta-feira)

10h00 – Mesa-redonda: “Jornalismo e Literatura” – Jornalistas Jeanne Bilich e Álvaro José Silva (ES) – Mediação: Jornalista José Roberto Santos Neves (PMVV)

14h00 – Palestra: “Poesia: um Encantamento para Sempre” – Professora e Escritora Neusa Sorrenti (MG) – Mediação: Professora e Escritora Silvana Pinheiro (ES)

19h00 – Palestra: “Gastronomia e Cultura” – Chefs Alessandro Eller e Juarez Campos (ES). Lançamento de livros de culinária.

20h00 – Encontro com o rapper, escritor, ator, cineasta e ativista MV Bill. Apresentação do livro

“Falcão. Meninos do tráfico”.

 

10/10 (quinta-feira)

14h00 – Palestra: “Quadrinhos na Educação: da rejeição à prática” – Professor, Escritor e Roteirista dos Estúdios Maurício de Souza, João Marcos Parreira Mendonça (MG) – Mediação: Prof.ª Flávia Meneguelli Ribeiro Setúbal (UFES)

19h00 – Mesa-redonda: “História dos conflitos no Brasil. Luta Armada. A Guerrilha do Caparaó” – Jornalista Domingos Meirelles (RJ), Professor Dr. Vitor Amorim de Angelo(ES) e o Jornalista José Caldas da Costa (ES) – Mediação: Dr. Gabriel Bittencourt (IHGES)

 

11/10 (sexta-feira)

10h00 – Bate-papo sobre Quadrinhos com Jovens Leitores – Escritor e Roteirista dos Estúdios Maurício de Souza, João Marcos Parreira Mendonça (MG)

Comentários do Facebook (Disqus tá lá embaixo)

Comentários do Facebook

Gobbo

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante (conhecida como Espírito Santo, no Brasil, acredite, esse lugar existe!), Gobbo perambulava por uma calçada quando, sem saber, andou em sincronia perfeita no tempo e espaço com um antigo ritual da tribo Roken Row, que despertou índios em estado inanimado em uma caverna do Téquissas, e então ele se transformou em… nada. Continuou sendo o mesmo cara, mas uma antiga profecia Roken Row diz que aquele que acionar os índios através do ritual, deve ser munido de toda cultura inútil quanto possível, para que assim ele possa fazer algo que não se sabe o que, mas que trará um grandioso resultado, que não se tem idéia. E desde então ele vem sendo observado sem notar, e tem absorvido uma quantidade absurda de informação desnecessária, tornado-o em: um cara comum qualquer que passa do seu lado e você nem nota.

  • Gustavo Costa

    Pelo que li das Bienais em SP e RJ, foram ainda piores, não pelo número de participantes ou títulos disponíveis, claro, mas sim pelo absurdo de COBRAREM pela entrada. É um circulo vicioso. Como livros são caros no país, poucos gostam de ler e a população não dá a menor bola para um evento que tem tudo para ser muito legal. Desde criança eu adoro entrar em livrarias e ver as novidades. Já um livro inteiro em uma tarde na Logos. rsrs

    • Rapaz, mas o povo parece que não sabe o que o povo quer, não sabe cativar o cliente… a iniciativa tem que ser deles e não do povo… o povo é gado…