Spamcast 009 – We Will Rock You

É com gritos ferozes de guitarras distorcidas com cordas 0.13 e captadores humbucker, que te convidamos para falar sobre ROCK!
Sim, tem roqueiro no SpamCast… ou quase, já que o Orelha  “paga” de eclético pra não ficar queimadinho no circuito dos músicos.
Por isso curtam esse bate papo e se deliciem com a trilha sonora que separamos, regados com muita informação legal.

Falamos o que foi possível para um podcast, mas o mais importante é continuar esse papo nos comentários. Não falamos da sua banda preferida… Comente! Não falamos de uma banda que certamente tinha que estar aqui… Comente! Não falamos de, sei lá, a banda mais colossal do rock por puro e simples esquecimento e falta de tempo… Comente caramba!!!!!! Não gostou? Vai ouvir 2h seguidas de Latino que passa! kkkkkk

Ouça

Ouça o episódio no player abaixo (ou para quem quer o arquivo zipado para fugir de proxy da empresa, tá aí também):

Reproduzir

Se só clicar em download não começar a baixar, tenta clicar o botão direito do mouse e selecionar Salvar link como, ou algo parecido…

 

SÃO CHICO ROCK & BLUES
O São Chico Rock and Blues chegou para resgatar a cultura do rock e do blues no Interior Capixaba.
Com 5 bandas renomadas, um Escritor conceituado, e uma Artista Plastica de Belo Horizonte, esse evento promete inovar os cenários artístico e cultural da Região Noroeste Capixaba e adjacências.
O local do evento conta com ambiente climatizado fechado e segurança.

Mais informações? Visite a página do evento no Facebook!

SCR&B

Comentados no episódio

BANDAS
Aerosmith
Guns and Roses
Kiss
Black Sabbath
The Beatles
Pink Floyd
The Who
Iron Maiden
Ramones
Sex Pistols
Queen
Pearl Jam
Nirvana
G3
Joe Satriani
Steve Vai
Nine Inch Nails
Bill Haley e os Cometas
Jerry Lee Lewis
Elvis Presley
Jimmy Hendrix
Frank Zappa
Led Zeppelin
Yngwie Malmsteen
Rush
Deep Purple
Metallica
Ozzy Osbourne
Sepultura
Angra
The Strokes
The Killers
Ultraje a Rigor
Scorpions
Men at Work
The Cult
Beach Boys
Midnight Oil
Oingo Boingo
Kansas
Jethro Tull
Focus
U2

 

FILMES
Quanto mais idiota melhor
Crossroads
Darkside of the Rainbow (Dark Side Of the Moon sincronizado com o Mágico de OZ)
Detroit Rock City
Rockstar
Quase famosos
The Commitments – Loucos pela Fama
The Wonders – O Sonho Não Acabou
It Might Get Loud

E mais um monte de coisa (vulgo etc.)

Trilhas do episódio

AC/DC – Back in Black
Chuck Berry – Johnny B.Goode
Van Halen – JUMP!
Ramones – Pet Semetary
Pearl Jam – Jeremy
Foo Fighters – No Way Back
Foo Fighters – Breakout
The White Stripes – Seven Nation Army
Steel Dragon (Rockstar) – We All Die Young
Queen – Bohemian Rhapsody
Counting Crows – Mr. Jones
Pink Floyd – Wish You Were Here
SRV – Texas Flood
Resgate – Meus Pés
Bill & Ted/KISS – God Gave Rock’N Roll to You

Contatos

Gobbo: @aagobbo
Leandrilson: @Le_Spamcast
Filipovisky: @Filipovisky
Gustavo: @Guto_Spamcast
PatrickOrelha: @PatrickSpamcast
SpamCast: @spam_cast no Tuíter e SpamCast no Face

Feeds
 – Ouça, assine e faça um review cheio de estrelinhas no iTunes!
 – Assine nosso feed RSS!!!

Comentários do Facebook (Disqus tá lá embaixo)

Comentários do Facebook

Gobbo

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante (conhecida como Espírito Santo, no Brasil, acredite, esse lugar existe!), Gobbo perambulava por uma calçada quando, sem saber, andou em sincronia perfeita no tempo e espaço com um antigo ritual da tribo Roken Row, que despertou índios em estado inanimado em uma caverna do Téquissas, e então ele se transformou em… nada. Continuou sendo o mesmo cara, mas uma antiga profecia Roken Row diz que aquele que acionar os índios através do ritual, deve ser munido de toda cultura inútil quanto possível, para que assim ele possa fazer algo que não se sabe o que, mas que trará um grandioso resultado, que não se tem idéia. E desde então ele vem sendo observado sem notar, e tem absorvido uma quantidade absurda de informação desnecessária, tornado-o em: um cara comum qualquer que passa do seu lado e você nem nota.

  • I’m Roooock – Faltou mencionar o filme Escola de Rock com Jack Black .. mas o resto foi sensacional /

    • PatrickOrelha

      Pois é cara, acabou sendo cortado…veja a resposta ao Filipovisky alí em cima…

  • Filipe De La Fuente Teixeira

    O Escola de Rock vai ficar pra um outro episódio. Falamos dele, mas foi cortado.

    • PatrickOrelha

      Fala galera, essa edição foi tensa, falamos do Escola do Rock, até bastante, tanto q estava meio q saindo do tema, tentei salvar trechos do papo mas estava difícil de encaixar no flow do cast, aí acabou saindo. Uma pena, pois é um dos filmes de Rock mais gostado pela galera, inclusive o Gobbo, q considera uma das melhores comédias desse século! Ele se amarra no Jack Black!

      • Adriano Gobbo

        Agora pense tudo ao contrário… O filme tem uma ótima trilha, um péssimo ator e uma história inexistente. Vi no cinema, e veria de novo, pela trilha. Mas é só o que tem de bom.

    • Antonio

      Não posso acreditar nisso!

  • Filipe De La Fuente Teixeira

    Vou sair em defesa de meu amigo Eclético Orelha!!!
    Eu curto música japonesa tradicional, j-rock e j-pop, MPB e pop. Ecleticidade em níveis internacionais.

    • PatrickOrelha

      O Gobbo criou a opinião (demerda) dele de que todo eclético é otário após ler um post de um blogueiro comunistinha de faculdade no blogspot…

      • Adriano Gobbo

        Não, aquele blog eu achei apenas para te fazer ler e eu não ter que escrever. 90% das pessoas que se dizem ecléticas usam monóculo, e grande parte delas são músicos metidos. Ou são aqueles que curte pagode e funk e acham que isso é ecletismo.
        Normalmente citam o ecletismo como virtude e não característica. Aí é que está o ponto.
        Eu curto qualquer coisas que seja bom e não quero que me chamem de eclético pois estupraram essa palavra usando camisinha de cerol e álcool.

        • PatrickOrelha

          Você é eclético, para de vidagem…

          • Adriano Gobbo

            Não sigo padrões. Sou mais o caos.

  • Renan Souza

    Filme de Rock, faltou aquele do Stallone…. Rock o Lutador!

    • PatrickOrelha

      uhauhauuuauahuahuahauauauhaauhuahua

  • Álvaro Xavier

    Tenacious D, gosto muito!

    • PatrickOrelha

      É a banda preferida do Gobbo! =)

      • Adriano Gobbo

        #SQN

  • Fabio Barbosa

    Olhei várias vezes a lista, ouvi atentamente o cast só para não ser injusto e conclui! vocês esqueceram do Yes, sim, do Yes meus camaradas! uma das, se não a mais importante banda do Planeta, e da Baahiiia (olha o fanático), é “Progressivo” mas amo de coração (putz viadagem)…sem falar do T.Rex, David Bowie, Mutantes (Brasil sil sil sil), Uriah Heep, Rainbow e Dio (A Voz do Metal), Dio influenciou até o Ed Motta, e no pessoal novo como o Kamelot e Epica (épica? não é nada disso que estão pesando)…Carinhas! acho que vão ser necessários mais uns 3 Spamcast pra dar conta. O bom, é que o universo Rock’n’Roll é tão grande quanto o próprio universo. Afinal! quem inventou o Rock foi Deus e não o mentiroso do “kapeta” hehe…Bom, agora vou assistir ao “That thing you do”, seguindo as recomendações…brigaduuu!

    • PatrickOrelha

      Grande Fabão!! Cara, como fomos esquecer do YES!! Os PAIS do progressivo na minha humilde opinião! Muito obrigado por nos lembrar! Os comentários são pra isso mesmo! Ainda tem MUITA coisa pra falar nesse mundo do Rock’N Roll e pode ter certeza q vamos voltar a abordar o assunto! Grande abraço amigo!

  • Alex Rocha

    Vamos lá pra mais um comentário gigante?

    Antes de tudo, quero dizer que não estarei julgando o episódio do cast. Ainda mais porque vocês foram muito felizes não só na escolha do tema, como também comunicando que o SpamCast é o ponto de vista PESSOAL de vocês sobre os assuntos discutidos e assim não deve ser visto como uma regra geral.

    Sendo assim, também vou colocar meu ponto de vista que é entender, mas também discordar de alguns pontos citados por vocês.

    Primeiramente: o Rock não morreu. Está mais vivo do que nunca. O Rock morreu para aqueles que não o vivenciam mais. Morreu para aqueles que só ouviam na adolescência e abriram mão disso com o passar do tempo, restando apenas o saudosismo lá de trás.

    Eu, que convivo diariamente com o Rock, por meio da Web Rádio Rádio Rocks – Rock no Plural (olha o jabá), que é o meu hobby há mais de 3 anos, posso dizer que a essência do Rock está viva há 6 décadas.

    Tem muita banda boa que nasceu após os anos 2000 e com a minha web rádio eu passei a ouvir e gostar. Foi como um reaprendizado do Rock. Isso sem citar as bandas que vocês consideram clássicas (e como não são?). O problema é que até as bandas clássicas sofrem com aqueles que se distanciaram do Rock que só as reconhecem pelas músicas antigas e as consideram covers de si mesma. Termo do qual que eu considero um desrespeito, uma vez que novos discos são gravados por essas bandas.

    O último disco do Alice in Chains está foda demais. Foi o show mais foda do Rock in Rio. Está de uma qualidade indiscutível. O álbum “13” do Black Sabbath, que traz a volta do Ozzy também não fica atrás. O que me entristece é que o público brasileiro que foi ao show deles, ficava “boiando” nas músicas do disco novo simplesmente por não conhecer. Sim, são ex-adolescentes que estão presos ao passado. Pararam de ir atrás do novo.

    Ainda posso citar o último do AC/DC, o “Black Ice” lançado em 2008; o “Last of a Dyin’ Breed”(2012) do Lynyrd Skynyrd e por que não citar a carreira solo do Slash e o seu puta álbum “Apocalyptic Love”? A respeito do Scorpions, os últimos discos de inédita em estúdio que foram citados realmente são muito bons. Tenhos minhas músicas preferidas que me deixam maluco quando ouço.

    Mas por que não são lembrados mesmo com tanto disco bom saindo? A mídia hoje não está mais voltada pro Rock. Antes, o Rock tocava em rádios de musica pop. Ele dividia as paradas de sucesso com outros estilos. E é dessa época que as pessoas têm lembrança. Hoje, você ouve Rock apenas em rádios segmentadas. Que só tocam o estilo.

    A última vez que ouvi Rock na Jovem Pan (rádio que tem o público que poderia aceitar o estilo), eu lembro muito bem. Foi no final de 2001 e a música foi a versão de “Whiskey in the Jar” do Metallica. Depois disso ela se tornou uma rádio voltada para o segmento Pop, depois Black e hoje é uma rádio Gay. O Rock não tem mais espaço nas rádios ecléticas ou jovens.

    Contudo, estou observando uma resistência do Rock no aspecto da transmissão via FM. Em São Paulo, tivemos a volta da 89 FM com o segmento. A Kiss, sua principal concorrente, mas voltada para clássicos, está com uma campanha muito boa de fortalecimento da marca com o tema “Não deixe o Rock sair de você”. Fizeram um puta vídeo para a campanha, inclusive. No Rio de Janeiro, a Rádio Cidade que estava só na Web, também voltou para a FM com o Rock.

    Pegando a minha região, norte e noroeste do Paraná, onde o sertanejo prevalece – ainda mais por ser uma região onde o forte da economia é a agricultura – fui agraciado em janeiro com a estreia da Rádio Mundo Livre de Curitiba. Inauguraram uma filial aqui em Maringá, com locutores locais, onde toca Rock 24h por dia. Às vezes até acho que estou ouvindo a minha web rádio, porque toca não só os clássicos como as novidades do Rock. E sim: tem muita novidade boa.

    Está acontecendo um fenômeno de revitalizações de rádios que tocam Rock. Isso é um bom sinal. Essa molecada mais nova anda meio desorientada sobre o que é música de qualidade. Estou fazendo a minha parte na web e fico contente quando vejo a proliferação de rádios segmentadas nas FMs. Rádio eclética não tem mais espaço pro Rock. Por isso que existe a falsa impressão de que o Rock morreu.

    Finalizando, eu gostaria de falar sobre o Rock Nacional. De fato, o Rock sem distorção dos anos 80 me incomodava também. Mas não podemos negar o quanto os anos 80 foram importantes para o Rock brasileiro. Na verdade ele foi uma moda. Ele não foi melhor do que é o Rock Nacional hoje. Ele apenas teve maior atenção da mídia. E graças a isso, muitas bandas se fortaleceram e permanecem vivas até hoje. Esse movimento quase se fortaleceu novamente em 1999 até 2002. Dessa vez com guitarras mais distorcidas, isso graças aos Raimundos, que a propósito, seu último disco, o recém-saído do forno “Cantigas de Roda” está ducaralho!

    E eu não vou nem citar a minha banda nacional preferida, que é também a mais odiada junto com seu frontman e letrista. Talvez porque ele não se mete em polêmica, não bebe, não fuma, não cheira e nem dá a bunda hehehehhe.

    Mas é isso aí, meus queridos. O cast tá demais. Continuem assim. Vida longa ao Rock N’ Roll. Ele ainda está vivo!!! E ouçam a @radio_rocks hehehehe.

    Um abraço!

    • PatrickOrelha

      Grande Alex!! Valeu pelo comentário cara, muito bom! Como eu disse no cast pro Gobbo, tb não concordo que o Rock Morreu. Quem morreu foi o Gobbo por dentro! haha! Gostei muito de Black Ice do AC/DC até hj acho q os caras não perderam a linha. É realmente uma questão mercadológica, como você disse. Foi isso que eu quiz dizer qndo disse que a época de ouro do Rock se foi. Quem é fiel ao estilo nunca vai deixar de ouvir, mas atualmente o Rock não é o estilo da vez. Mas como falamos bastante no cast, o Rock é cíclico, e talvez estaremos vivos pra próxima era do rock! Assim espero!

    • PatrickOrelha

      Ah, se esquecí de falar…a zoação com os Titãs foi só pra descontrair. Até mesmo pq alí, um pouquinho mais pra frente teve o Cazuza com um som MUITO legal e uns solos de guitarras IRADOS!! Volta pra ouvir o solo de guitarra de “O Tempo Não Para”, muito bom!

    • Adriano Gobbo

      Concordo com tudo o que você disse. Mas infelizmente eu não sou um explorador, eu não consigo ter muito tempo dedicado a ouvir música, como tinha antigamente. Então eu só descubro o que vem até mim. E o estilo de rock que mais curto, que é o mais clássico, não se acha em novas bandas. E aqui em Vitória do ES, não tem uma rádio que não toque Rihana de 5 em 5 minutos. Meu carro fica o tempo todo na CBN (exceto numa programação de músicas antigas da Rádio Cidade). Estou certo que uma rádio ia ajudar nesse fato. Talvez falar que o Rock morreu seja muito forte, mas ele não é nem de perto o mesmo, é outro Rock…

    • Adriano Gobbo

      Ah e curto seus comentários!
      Um dia a gente te dá um prêmio!

  • Eu ainda não pude ouvir as merdas que vocês dizem quando eu não estou, mas pelo comentário do Alex, já percebi que foi uma defecação desvairada! Volto a me reportar quando chegar a um consenso deste episódio!

  • Bem… agora que eu ouvi vamos lá…
    Como você pode dizer que o Rock morreu Gobbo? Você está dizendo que somos órfãos?
    Vou usar um exemplo que vocês deram com um pouco de Darwin (pq eu sou foda). Quando vcs falam de Aerosmith e Run DMC com o Walk This Way de uma forma depreciativa por causa da mistura, eu tive vontade de comprar um DeLorean e voltar no tempo, na hora que vocês gravaram… Walk This Way, em particular, não só salvou o Aerosmith de um triste fim tocando em pracinhas, como também ditou como o Rock iria se comportar com os novos gêneros com os quais ele iria coexistir… Sim (agora entra Darwin), por que o Rock só continua como estilo musical, devido a sua capacidade de adaptação em seu meio-ambiente (vide teoria da evolução das espécies). Se não tivesse aprendido a se misturar com Rap, assim como outros gêneros em sua “levada” não existiria nada para levantar o estandarte do Rock… Clássico ou não. Quem iria apresentar o Black Sabbat e o AC/DC para as novas gerações? Eu cito o rap em questão, por que além de ser o que está na moda, eles estão muito mais engajados com essa ideia de protesto que um dia já foi do Rock (e não só ostentação como foi mencionado, como rock eles tb tem muitas vertentes e coisas mais humildes por sinal).
    Só pra finalizar, vale ressaltar a cena indie Inglesa que está trazendo muito da psicodelia dos anos 70, junto com o rock mais dançante dos anos 80. Na Europa e aos poucos se espalhando para o resto do mundo, temos mais uma vez uma revolução, uma releitura para garantir sua existência!

    Banda: Bad Religion (fez parte da minha infância e teve um show deles que me marcou)
    Música: Hocus Pocus (banda Focus)
    Músico: John Bonham (baterista do Led Zepplin [baterista seus guitarristas frustrados])

    Um filme que eu recomendo a todos os Spammers: CONTROL, filme adaptado da biografia escrita pela viúva do vocalista e líder do Joy Division, Ian Curtis. Filme preto e branco mas excelente na história e principalmente na trilha sonora!

    • PatrickOrelha

      Tá vendo? Se tivesse aparecido na gravação o cast teria sido bem melhor! Seu bunda! =*

    • Adriano Gobbo

      Vamos lá… infelizmente minha vida offline está me dificultando até de aparecer no site.

      Primeiro. Olhe esse site. http://visual.ly/100-years-rock-and-roll-visualized?view=true Ele marca o nascimento de cada vertente do rock. veja os anos 70 que maravilha. Olhas os 90 que pobreza.

      Segundo. Quando digo que morreu, não é literal. O Van Halen lançou disco ano passado, o Aerosmith no ano retrasado. Tem bandas surgindo, principalmente no indie. Mas não se compara com a avalanche nos anos 70 por exemplo. E óbvio que podemos continuar escutando as coisas do passado, e ainda bem que sim!

      Terceiro. Infelizmente o indie é para exploradores. Eu não tenho tempo para descobrir indie na mesma velocidade que no passado se descobria lendo Rock Brigade, perguntando para os amigos, ouvindo rádios específicas, indo em shows, estando inserido no meio. É triste para as bandas, mas realmente a banda tem que ir ao fã e não o contrário. Banda é igual clube. Clube menor agrada ao público local, que é fiel, mas o público remoto não, a menos que ele tenha descoberto por acaso. Eu infelizmente não tenho o tempo e nem a veia exploradora. Hoje descubro mais através de trilha sonora de filmes, mas ainda assim não é grandes coisas.

      Não invalido bandas como W.E.T., a que você adora Artic Monkeys ou uma que curto algumas músicas Moldy Peaches no cenário da obscuridade, mas elas nasceram num mercado de rock sem glamour, sem market share, a realidade é essa. Talvez o roqueiro dos anos 2000 não consiga tomar os porres, usar as drogas caras, o luxo e a mulherada que os roqueiros do passado tipo um iron ou metallica conseguiam. É fato.

      Isso sem contar o tanto de lixo que tem sido produzido com o selo rock. Aliás hoje uma Pink e uma Katy Perry são taxadas de roqueiras… e digo tanto no estilo quanto na qualidade da banda.

      Um quarto ponto, quando eu digo hip hop eu quero dizer hip hop, que é bem diferente de rap. O rap é bem mais “cabeça” e politizado que o hip hop, embora eu também não curta tanto. O hip hop é outro estilo vendido, de pessoas que usam formula de sucesso ao invés de fórmula de música. E veja, isso não quer dizer que sejam músicas ruins, são apenas músicas para mercado.

      Por fim, é verdade a mistura salvou bandas de seus fins, e coisas boas nasceram por causa disso e posso usar o próprio Aerosmith que adoro para isso, como você colocou no seu post. Walk this way realmente marcou uma sobrevida de market share ao rock enquanto colocou o rap mais no alto, que empurrou o hip hop para o topo. O que eu coloco isso como ruim é pela postura. Imagina se o Metallica tivesse coragem de gravar uma música com o Jay-Z hoje. Eu não consigo conceber isso. Eu prefiro que certas coisas não aconteçam, mesmo que eu tenha que perder um Nine Lives para isso.

  • Meu nome é Antonio

    O diabo é o pai do arrocha virou a frase da minha vida

  • What i don’t realize is if truth be told how you’re now not actually much
    more neatly-favored than you might be right now.
    You’re so intelligent. You realize thus significantly on the subject of this subject, made
    me in my opinion imagine it from a lot of varied angles.
    Its like men and women don’t seem to be involved until
    it is something to accomplish with Girl gaga! Your own stuffs great.
    At all times maintain it up!