Spamflix 007 – Um porco em Gaza

o porco de gazaUm porco cai na rede de pesca de um palestino, o Jaffar (Sasson Gabai) e sua vida vira de cabeça para baixo, afinal, esse animal é impuro e não pode conviver com os muçulmanos, mas ele pensa em tentar dar um jeito no porco e acaba descobrindo um jeito de ganhar dinheiro com o bicho.

o porco de gazaO filme de 2011 é o primeiro do roteirista e diretor Sylvain Estibal, um colunista francês sobre viagens, e é uma mistura de culturas. Tem os muçulmanos de Gaza, que são dominados pobres e submissos, e tem os israelenses que são dominantes, mas mostram aqui um lado um pouco mais subversivo.

o porco de gazaO filme obviamente se trata de uma comédia que tem como pano de fundo dar uma pitada das culturas citadas e ainda alguma crítica social. Aliás, a crítica não é aquela coisa estilo Michael Moore não, é só a percepção de vida sufocante do Jaffar, tanto pelos problemas sociais de estar sitiado quanto pela própria sociedade de Gaza que por seus próprios dogmas têm lá suas dificuldades do dia a dia. Não vou entrar em méritos religiosos, mas achei sufocante também.

o porco de gazaVocê percebe a pobreza na região, que transforma todo mundo em malandro e consumindo coisas de baixa qualidade (como uma novela da Globo que a mulher dele vê todo dia) e acaba que ficamos com pena da população pela miséria. Mas ainda bem que chegou o porco para nos arrancar risadas em situações extremamente absurdas! É incrível imaginar que o porco é tão proibido para eles que eles nem ao menos sabem como é um, o que o ajuda a passar despercebido com aquele porco.
o porco de gazaE ele corre todos esses riscos pois uma mulher israelita de uma área agrícola está comprando o sêmen do porco, o que é terminantemente proibido também para ela, pelos mesmos motivos que para ele. O filme acaba tendo um pouco de filme brasileiro de miséria nordestina com malandros, tipo O auto da compadecida, mas com um protagonista muito aquém da esperteza de João Grilo e Chicó, ao mesmo tempo em que tem o climão cultural pobre e inocente de Os deuses devem estar loucos.

o porco de gazaVocê pode pensar “Ah é filme europeu, deve ser muito cabeça e difícil de entender”, bom minha esposa que só curte os filmes padrão riu de rolar com o filme, então ela é meu carimbo de “para toda a família”. Agora se você sempre esperar ver o Brad Pitt em um filme, talvez essa coluna não vá poder te ajudar. Mas leia assim mesmo!

Comentários do Facebook (Disqus tá lá embaixo)

Comentários do Facebook

Gobbo

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante (conhecida como Espírito Santo, no Brasil, acredite, esse lugar existe!), Gobbo perambulava por uma calçada quando, sem saber, andou em sincronia perfeita no tempo e espaço com um antigo ritual da tribo Roken Row, que despertou índios em estado inanimado em uma caverna do Téquissas, e então ele se transformou em… nada. Continuou sendo o mesmo cara, mas uma antiga profecia Roken Row diz que aquele que acionar os índios através do ritual, deve ser munido de toda cultura inútil quanto possível, para que assim ele possa fazer algo que não se sabe o que, mas que trará um grandioso resultado, que não se tem idéia. E desde então ele vem sendo observado sem notar, e tem absorvido uma quantidade absurda de informação desnecessária, tornado-o em: um cara comum qualquer que passa do seu lado e você nem nota.